O que é Paralisia Cerebral? 

Paralisia Cerebral

Apesar do nome, paralisia cerebral, o cérebro da criança com este diagnóstico clínico não é paralisado. O termo "cerebral" indica que tem a ver com o cérebro enquanto o termo "paralisia" indica fraqueza muscular ou impossibilidade de utilizar os músculos, Portanto, Paralisia Cerebral (PC) é o termo utilizado para descrever um grupo de desordens permanentes do desenvolvimento motor, que gera prejuízos para o movimento e para a postura. A desordem motora pode ser acompanhada por distúrbios sensoriais, perceptivos e cognitivos, crise epilética, distúrbios na comunicação e no comportamento, porém estes nem sempre estão presentes nas pessoas com PC, ao contrário das alterações motoras.

As características motoras são muito distintas entre as pessoas com PC, bem como os locais de acomentimento das lesões cerebrais. As características relacionadas ao tônus muscular permitem uma classificação usual em três grupos distintos: PC Espástica, PC Discinética e PC Atáxica.

My Image

No grupo PC Espástica, temos as pessoas com espasticidade, que é o aumento do tônus muscular. Neste caso temos outros três subgupos: Hemiplegia, Diplegia e Quadriplegia. 

​​​​​​​

Na Hemiplegia a pessoa tem comprometimento motor em somente um hemicorpo, afetando o movimento tanto do membro superior quanto do inferior no lado do corpo acometido.  As lesões nesse caso ocorrem em um hemisfério cerebral, geralmente em uma região mais superior denominada córtex cerebral, onde estão localizados os corpos dos neurônios motores superiores, responsáveis por modular o nosso movimento. 

Na Diplegia espástica, a pessoa apresentará acometimento dos quatro membros, porém com maior prejuízo de movimento nos membros inferiores, bilateralmente. Neste caso as lesões acontecem em áreas do cérebro que ficam ao redor dos ventrículos, que são cavidades no cérebro cheias de líquido.  


Já na Quadriplegia espástica os movimentos de membros superiores e inferiores são geralmente bastante comprometidos para ambos os lados do corpo e está associada a lesões dos dois lados do cérebro.  

Na PC Discinética observamos a alteração do movimento devido ao tônus muscular flutuante ou variável que hora está alto e hora está baixo, fazendo com que a pessoa tenha dificuldade em planejar a função motora devido a presença de movimentos involuntários. Neste caso, as lesões estão localizadas em grupos de neurônios na base do cérebro. Costuma-se ainda dividir estre grupo em pessoas com atetose e com coreoatetose.  

A PC Atáxica é caracterizada por tônus muscular baixo e incoordenação motora devido a lesões no cerebelo. Alguns autores consideram ainda um quarto grupo, o das pessoas com Hipotonia, que apresentam tônus muscular baixo, de forma generalizada até os dois ou três anos de vida, mas a maioria delas desenvolve tardiamente a espasticidade, a discinesia ou a ataxia. Algumas pessoas podem ser classificadas em formas mistas de PC.  


Para que possamos identificar o grau de acometimento da criança com PC utilizamos uma classificação da função motora grossa denominada Gross Motor Function Classification System – Expanded & Revised  (GMFCS E&R).

​​​​​​​

Este instrumento classifica em cinco níveis de comprometimento (I a V) as funções motoras grossas da criança com PC. No nivel I a criança geralmente pode andar sem restrições, mas tende a apresentar limitações em algumas habilidades motoras mais avançadas. Já no nível V, a criança geralmente é muito limitada em sua capacidade de se movimentar, mesmo com o uso de tecnolgia assistiva. 

My Image

Níveis de comprometimento das funções motoras

Este sistema de classificação é baseado no movimento iniciado voluntariamente e enfatiza a observação do movimento considerando o sentar, as transferências e a mobilidade da criança.  Ele está disponível para 5 faixas etárias de crianças e jovensmenores de 2 anos, 2-4 anos, 4-6 anos, 6-12 anos e 12-18 anos. 


​​​​​​​Além disso, existe também uma versão deste questinário para pais, o GMFCS  Questinário do Relato Familiar (GMFCS Family and Self Report Questionnaire​)​​​​​​, utilizado para o envolvimento dos pais na classificação das habilidades motoras das crianças. As versões em português deste sistema de classificação, para as faixas etárias de 2-4 anos, 4-6 anos, 6-12 anos, foram traduzidas pelas pesquisadoras Paula Chagas, Marisa Mancini, Maíra do Amaral e Daniela Vaz, e você pode acessar as versões clicando no botão abaixo: 

Referências: 


Brasil, 2014. Diretrizes de Atenção à pessoa com Paralisia Cerebral. Ministério da Saúde. 


GMFCS – E & R Sistema de Classificação da Função Motora Grossa Ampliado e Revisto [GMFCS – E & R © Versão Brasileira, Traduzido por Daniela Baleroni Rodrigues Silva, Luzia Iara Pfeifer e Carolina Araújo Rodrigues Funayama (Programa de Pós- Graduação em Neurociências e Ciências do Comportamento - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo)]